MIDIA GOSPEL

Dom08202017

Last update10:05:07

Padres se unem na Áustria para pedir Reforma no Vaticano

Gostou? Comente este artigo no fim da página
Gospel o melhor da WEB Padres se unem na Áustria para pedir Reforma no Vaticano Noticia Religião

Dos 2.000 padres da Áustria, 300 estão rebelados contra o Vaticano. Em uma manifestação chamada de “Um chamado à desobediência”, o grupo exige reformas apoiadas na Bíblia como, a exemplo dos pastores evangélicos, permissão do sacerdócio aos homens casados.

A iniciativa foi divulgada na internet em junho e vem contando com um crescente apoio de grupos cristãos – o que está complicando a relação com a hierarquia da igreja católica do país.

“Há uma grande insatisfação entre nós”, explicou ao jornal Österreich, nesta quarta-feira, 17, o criador da proposta, padre Helmut Schüller, antigo vigário-geral de Viena. Os padres insatisfeitos exigem que a Igreja empreenda reformas, como permitir o sacerdócio às mulheres e aos homens casados.

Schüller explica que o grupo foi forçado a tornar sua posição pública por conta da falta de ação da hierarquia eclesiástica, e calcula que dois terços dos 2.000 padres do país compartilham as ideias da medida.

O padre já expressou duras críticas à igreja por sua forma de tramitar os inúmeros casos de abusos sexuais realizados por religiosos que vieram à tona nos últimos anos na Áustria. As críticas não demoraram a chegar, e para o monsenhor Egon Kapellari, bispo de Graz, o chamado representa um perigo para a unidade da igreja.

O presidente da Conferência Episcopal Austríaca e arcebispo de Viena, Christoph Schönborn, se reuniu com os representantes dos padres rebeldes, mas comunicou que não concordava com a iniciativa e que não a defenderia em Roma, lembrou Schüller.

Perda de fiéis

Na Áustria, os cidadãos devem notificar oficialmente se pertencem à igreja católica, e nos últimos 30 anos entre 30.000 e 50.000 fiéis deixaram as estatísticas católicas a cada ano.

Igreja na Áustria se viu afetada por vários escândalos sexuais e de pedofilia nos últimos 15 anos, o que fez com que diminuísse muito sua credibilidade entre os fiéis.

Fonte: Terra