MIDIA GOSPEL

Sex10202017

Last update07:03:07

A Igreja Universal não é para todos, diz genro de Edir Macedo

Gostou? Comente este artigo no fim da página

A Igreja Universal não é para todos, diz genro de Edir Macedo | Noticia Evangélica Gospel

Renato Cardoso avisa que a IURD é uma igreja para quem quer mudança total. Para comemorar os 36 anos da Igreja Universal do Reino de Deus, completos no dia 9 de julho, o bispo Renato Cardoso, genro de Edir Macedo, escreveu um texto dizendo que a igreja está aberta a todos, mas que não é para todos. Cardoso diz que na IURD todas as pessoas podem entrar: negro, branco, estrangeiro, mendigo, rico, viciado, religioso, ateu, homossexual, curioso, divorciado, crítico, sincero, médico doente…, porém “a Universal não é para todos”.

O apresentador do programa The Love School chega a comprar a IURD com um consultório de dentista, dizendo que muitas pessoas chegam ali porque estão com dor e que assim que recebem a cura deixam de frequentar a igreja. “Muitos são curados de suas dores na Universal e depois não voltam mais. (Pelo menos até que apareça outra dor.) Vão para outros lugares onde ouvem coisas mais agradáveis”, escreveu.

“Só permanecem nela os que querem a mudança total”, disse o bispo explicando os motivos que o faz dizer que a IURD não é uma igreja para todos. “Não, a Universal não é para todos. Mas permanece com as portas abertas a todos, mesmo aos que um dia deram as costas para ela”.

Leia na íntegra:
Há um ano escrevi as 35 razões por que amo a Universal. Se você ainda não leu, leia aqui. Hoje quero acrescentar mais uma razão. Estamos completando 36 anos de existência e quero lhe dizer por que eu sou a Universal. Ela está aberta a todos, mas não é para todos. Ninguém jamais será barrado de entrar pelas portas da Universal. Desde que não venha para perturbar a paz dos que ali estão, desrespeitar as pessoas e o trabalho, será bem-vindo. Negro. Branco. Estrangeiro. Mendigo. Rico. Viciado. Religioso. Ateu. Homossexual. Curioso. Divorciado. Crítico. Sincero. Médico. Doente. Gente.

Tratamento igual. Assento garantido, se chegar cedo. Ela está aberta a todos, mas não é para todos. A Universal não é para todos. Nem o céu é. Quem vai apenas algumas vezes à Universal começa logo a perceber que ela mexe com a sua estrutura. Quem chega esperando uma reunião agradável, desenhada para fazer as pessoas se sentirem confortáveis com suas vidas como estão, fica logo incomodado.

Ela é como ir ao dentista. A maioria das pessoas só vai ao dentista quando a dor se torna insuportável, mas espera que o dentista faça apenas o necessário para parar a dor. O bom dentista, porém, vai logo olhando todos os dentes, tira raio-x, e aponta tudo o que está de errado naquela boca. E recomenda o tratamento não apenas para curar aquela dor, mas para evitar todas as dores futuras. Contudo, a maioria das pessoas insiste: “Só faça parar esta dor, doutor.” Sabendo que não vai resolver, ele atende. Depois disso, a pessoa, provavelmente, não voltará mais àquele dentista. “Eu só fui lá por causa de uma dorzinha e ele já queria arrancar os quatro sisos, fazer canal, botar aparelho e ainda disse que tenho cárie em seis dentes? Não volto lá não! Dentista ladrão.”

Muitos são curados de suas dores na Universal e depois não voltam mais. (Pelo menos até que apareça outra dor.) Vão para outros lugares onde ouvem coisas mais agradáveis. Se juntam a outros que lhes dão tapinha nas costas e não lhes desafiam a serem melhores. E alguns ainda cospem no prato em que comeram. A Universal não é para todos. Só permanecem nela os que querem a mudança total. Os que preferem o tapa da verdade ao beijo da mentira. Os que não se preocupam com o que os outros pensam, mas com o que Deus pensa. Os que querem fazer parte da tropa de elite de Deus.

Não, a Universal não é para todos. Mas permanece com as portas abertas a todos, mesmo aos que um dia deram as costas para ela. E por mais esta razão, eu sou a Universal.

Fonte: Gospel Prime | Divulgação: Midia Gospel