MIDIA GOSPEL

Qua08162017

Last update12:02:06

A igreja que arrota

Gostou? Comente este artigo no fim da página
Gospel o melhor da WEB A igreja que arrota Reflexão Gospel

Os três primeiros meses de vida da minha filha foram duros. Ela sofreu de cólicas terríveis, que faziam com que ela chorasse, gritasse, gemesse, se contorcesse e soluçasse em agonia. Para quem nao teve a experiência da paternidade ainda, cabe uma explicação: essas dores são resultado da grande quantidade de ar que o neném engole durante as mamadas. Assim, não me restava solução a não ser fazer de tudo para que ela expelisse o ar. E sim, a melhor forma de se fazer isso é estimular o bebê a arrotar e soltar pum. Não é algo muito elegante de se dizer, mas é fato: se você é pai e seu filho recém-nascido sofre de cólicas, você terá de se tornar um grande incentivador de arrotos e puns, seja batendo nas costas, fazendo massagem na barriga, empurrando e esticando suas pernas, elogiando efusivamente quando o bebê finalmente põe os gases para fora… Fato é que fazer o neném expelir os gases tomará grande parte de seu tempo e de suas preocupações.

Mas aí o tempo passa. O bebê cresce e se torna uma linda mocinha. E você, pai ou mãe, descobre que agora tem de desensinar o que passou meses ensinando a pequerrucha a fazer. Afinal, quando sua linda filhinha se torna uma menininha e você sai para jantar com um casal de amigos não vai querer que ela fique soltando arrotos sorridentes na mesa. Ou que ela flatule alegremente na escolinha. Não. Agora a sua missão se torna educar aquele mini-indivíduo, para que ele continue em sua caminhada na vida sem ser visto como um porquinho pela sociedade.

Então, de repente, se vê dizendo para sua filhinha que você tanto incentivou a soltar puns e arrotos que, agora que ela está mais madura, precisa parar com aquilo que você passou meses ensinando-a a fazer. Que o que era certo agora é errado. O que antes ela fazia que levava você a bater palminhas agora te leva a fechar a cara. O que antes merecia um “isso, filhinha, que bonito, você arrotou!” agora rende um “filha, que coisa feia, arrotar na mesa!”. O que antes era premiado com um “que linda, soltou pum!” agora é repreendido com um “que feio, soltou pum!”.

Em princípio achei meio estranho ter de fazer minha filha reaprender. Ter de desconstruir o que levei meses construindo. Mas, depois de algum tempo refletindo sobre isso, cheguei à conclusão de que essa mudança de curso não é um contrassenso, como inicialmente me pareceu. Não faz de mim um hipócrita nem um indivíduo levado por ventos. Pelo contrário. Percebi que há coisas na vida que exigem mudanças drásticas e necessárias em direções opostas, repensamentos que são extremamente importantes. Para cada etapa da jornada, uma atitude. Nos momentos certos, reformulação, alteração de rumo, rotas redesenhadas. E isso não faz de você uma pessoa incoerente, fraca, inconstante, ignorante ou menos madura: simplesmente, como Salomão escreveu em Eclesiastes, “para tudo há uma ocasião certa; há um tempo certo para cada propósito debaixo do céu” (Ec 3.1).

Na nossa vida espiritual é a mesma coisa. À medida que caminhamos, nos desenvolvendo na fé, nossas crenças, atitudes, práticas e valores vão mudando. E não há mal algum nisso. Não é sinal de fraqueza ou de falta de fé: é sinal – isso sim – de amadurecimento.

Logo após a conversão você aprende a Biblia de um modo, toma o leitinho, se fortalece, entra na intimidade com Deus de uma maneira. Com os anos, isso muda. Seu organismo espiritual enrobustece, passa a exigir aprendizados mais sólidos, vivências diferentes, alterações de pensamentos. E, para muitos, chega um momento de rompimento com as práticas da infância na fé e o reaprendizado de muitas coisas que se fazia e se cria até então. Isso é importante e desejável – desde que não se abandonem a sã doutrina bíblica e os fundamentos da fé.

De repente, você descobre que aquelas formas de oração que te ensinaram na igreja em que se converteu não seguem o padrão bíblico. Descobre que nem todas as pessoas serão curadas de suas doenças, mesmo tendo fé, ao contrário do que prometia aquele livro do Kenneth Hagin. Descobre que não adianta “tomar posse pela fé” daquela benção pois, se Deus não quiser, você pode ter fé à vontade que nunca vai recebê-la. Descobre-se muito menos santo do que o irmão que fez o apelo disse que você tinha se tornado. Descobre que não basta levantar a mão à frente de uma igreja para ser salvo, se você não vive uma vida que demonstre frutos de arrependimento. Descobre-se enxergando que aquele pastor brigão que você achava o supra sumo da espiritualidade não passa de um fanfarrão. Descobre espantado que gritar, espernear, saltar e suar no louvor não fazem de você um verdadeiro adorador.

Descobre ainda que estava pecando ao idolatrar celebridades da música gospel. Descobre que falar jargões evangélicos e frequentar uma igreja sem manifestar os frutos do Espírito não fazem de você um cristão. Descobre que o envolvimento da igreja com política partidária não promove nenhum avanço para a causa de Cristo. Descobre que não adianta votar em “irmãos”, pois uma vez eleitos muitos vão fazer as mesmas negociatas que os ímpios. Descobre que a verdadeira religião não tem a ver com você, mas com Deus e o próximo. Descobre que gritar no púlpito não tem absolutamente nada a ver com poder de Deus e que é possível ser pentecostal vivendo uma vida silenciosa. Descobre que aqueles conhecidos cursos de mapeamento e batalha espiritual não têm nenhuma base bíblica. Descobre que pastores famosos também pregam heresias, mesmo com lindas palavras. Descobre que ganhar almas sem fazer discípulos não cumpre o ide de Jesus. Descobre, descobre, descobre.

Ou seja: chega o momento em que você amadurece a tal ponto que descobre que arrotar e soltar pum não são a coisa certa a ser feita, por mais que tenha aprendido isso no inicio da sua vida espiritual e que tantos lhe tenham incentivado por tanto tempo a fazer isso. De repente, você descobre que estava tudo errado e que tem de reaprender muita coisa.

E é o que tem de ser feito: amadurecer, evoluir, passar para a fase da maturidade. O problema é que muitos se agarram de tal forma ao que aprenderam no início que não suportam as novas descobertas, como personagens assustados do mito platônico da caverna. Uma parcela de cristãos que enxergam a luz recusam-se a abandonar as sombras confortáveis da caverna do passado, agarram-se à segurança daquilo que aprenderam na infância espiritual e se tornam adultos na fé que vão continuar a arrotar e soltar pum. “Foi assim que eu aprendi!”, apegam-se desesperados aos rudimentos da puerilidade. Outra parcela não aguenta o choque e de desvia, abandona a fé, apostata. Quantos não são os que entram num seminário teológico e, ao descobrir que o capítulo 16 de Marcos não está em alguns dos manuscritos mais antigos da Bíblia entram em crise. Ou que desmoronam ao saber que o grande reformador Lutero gostava de tomar bebidas alcoólicas. Ou que mulher usar calça não e pecado, é apenas um hábito cultural dos fundadores europeus de certas denominações. Ou, ainda, que muitos hinos da Harpa Cristã, do Cantor Cristão e outros hinários tidos como sacrossantos têm diversas músicas que originalmente eram tocadas em prostíbulos e até mesmo hinos nacionais de países como a Inglaterra e as ilhas Fiji – apenas com letras cristãs. E isso somente para citar alguns poucos exemplos.

Fato é que amadurecer incomoda. Dói. Reformular-se não é para qualquer um. Quando Jesus quis levar os judeus do leitinho veterotestamentário para o banquete da Nova Aliança muitos o rejeitaram. E hoje a coisa não é diferente. Multidões se apegam aos hábitos, às práticas e às crenças de um cristianismo incipiente e preferem viver na pseudossegurança de uma eterna infância espiritual. E isso acontece basicamente porque se recusam a adotar uma atitude simples: aprender.

Esse é o milagre que transforma a mente: o aprendizado. A obtenção de informações novas. Descobertas. Seja na convivência com pessoas realmente maduras na fé, que é discipulado. Seja pela leitura de bons livros. Seja pelo estudo sério da Palavra de Deus. Quer sair da infância? Olhe além do horizonte. Olhe por cima dos muros. Saia da zona de conforto e busque o conhecimento e a sabedoria além dos limites do berço. Muitas vezes as respostas estão naquilo que parte da Igreja abandonou equivocadamente em algum lugar do passado. Muitas vezes, nas páginas de obras literárias extraordinárias. Muitas vezes, em conversas com cristãos anônimos que vivem uma vida com Deus simples, íntima e silenciosa. E, certamente, no bom e velho texto de uma Bíblia, desde que lido sob os olhos vigilantes de uma exegese e uma hermenêutica corretas.

Se alguém algum dia mostrar a você que chegou a hora de parar de soltar arrotos e puns, não o rejeite. Esteja aberto a aprender. Disponha-se a ouvir mais do que a falar. Retenha o que é bom e despreze o que é mau. E que assim seja, “até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo. O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo.” (Ef 4.13-15).

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Autor: Mauricio Zágari
Fonte: http://apenas1.wordpress.com