MIDIA GOSPEL

Sex08182017

Last update04:01:41

É Pecado Um Crente Freqüentar a Igreja Católica?

Gostou? Comente este artigo no fim da página
mulher com duvida sobre a igreja católica

Pergunta

Amado e querido Pastor Airton,

Sou evangélica desde que nasci, mas agora, com o "AVIVAMENTO" nas igrejas, ou seja, danças, shows,  etc., estou indo à Católica, onde há respeito pela Casa de Deus.  Obviamente, conhecedora da Palavra como sou, não me dirijo às imagens (hoje poucas, só de Maria, José e Jesus), mas são imagens e está no segundo Mandamento. Apenas vou, porque me sinto bem lá dentro.

ESTAREI PECANDO?

Aguardo resposta URGENTEMENTE!

Resposta

Estimada Léa, Enviei sua consulta a um grupo de irmãos, e eis as posições: 

De Marcos Grillo:

À consulente do Pr. Airton, eu pediria que não se precipitasse. Há igrejas evangélicas, sobretudo as tradicionais (tantos as históricas — como a presbiteriana, a batista ou a luterana (especialmente a IELB) — quanto as pentecostais — como a Assembléia de Deus), onde ainda se pode observar reverência e temor a Deus. Existem centenas ou milhares de igrejas evangélicas no Brasil, não é possível que a irmã não encontre nenhuma onde se preste um culto a Deus com ordem e decência (I Coríntios 14.40). Ademais, essa irmã, mais cedo ou mais tarde, começará a depositar sua fé nas estátuas, em Maria, nos santos, no rosário, nas tradições e/ou na igreja romana como "única e verdadeira Igreja de Cristo", deixando de confiar tão-somente no Senhor Jesus Cristo, autor e consumador da nossa fé (Hebreus 12.2).

Quanto à vexatória diversidade de crenças e doutrinas observadas hoje na igreja evangélica, é inegável o malefício causado pela ausência de uma autoridade visível e legitimamente constituída. Talvez fosse necessário conclamar todos os evangélicos sinceramente interessados em obedecer à Palavra de Deus, a que retornassem às igrejas protestantes tradicionais, onde ainda se pode verificar um mínimo de decência, de ordem, de obediência às lideranças. Que abandonassem as igrejas edificadas por (e em torno de) líderes carismáticos dissidentes, sobretudo as neopentecostais. A que deixassem para trás as igrejas e comunidades onde a vivência religiosa seja muito mais antropocêntrica do que cristocêntrica, mais imanente do que transcendente.

O discurso católico pode parecer sedutor e acolhedor, na medida em que promete "segurança" sob a proteção do "sucessor de Pedro". A aparente homogeneidade da doutrina católica pode parecer um reconfortante contraste em relação à algazarra doutrinária característica das igrejas evangélicas hodiernas. Mas qual será o preço a ser pago por tão "preciosas" ofertas?

Não digo que nossos irmãos católicos estão inexoravelmente condenados ao inferno. A nós não é dado emitir tal julgamento (ainda que muitos católicos — e a própria igreja católica — condenem a nós, evangélicos, ao inferno!). Ou seja, Deus julgará aqueles que preferirem a igreja romana à(s) igreja(s) evangélica(s) (e vice-versa). Mas eu, particularmente, prefiro contentar-me tão-somente com a Palavra de Deus, consignada na Escritura Sagrada.

Não creio que ninguém será salvo em função da igreja a que pertença. Nossa salvação está em Jesus Cristo. NEle devemos depositar toda a nossa confiança.

PS: evidentemente, a hipótese da igreja domiciliar (culto nas casas) não pode nem deve ser descartada (ainda que essa eclesiologia sempre traga, em germe, o risco do personalismo). Na realidade, a única eclesiologia verdadeiramente confiável é aquela baseada simplesmente em Jesus Cristo e na Sua Palavra.

 

De Norma Braga:

Desculpem o desabafo, mas o assunto me inspira muita coisa...

O que se chama de "louvor" na igreja evangélica está se tornando verdadeiramente insuportável. Tenho ouvido muitos depoimentos de cristãos que não agüentam mais a barulhada da igreja e pararam de freqüentar justamente por isso. Eu canto no coral da minha igreja e tenho descoberto o que é um louvor de verdade com Bach e a música barroca em geral, cuja melodia em si já louva a Deus. Não sei explicar por que sinto isso, mas deve ter algo a ver com o fato de que a música barroca é linear, expressa uma continuidade, concentra a mente e enleva o pensamento - enquanto o 

pop-rock desconcentra, exalta as emoções, aumenta os batimentos cardíacos, deslocando corpo e mente da presença de Deus. (Henri poderia falar mais sobre isso!) Por coincidência, hoje mesmo fui a um culto em que a bateria tocava tão forte que vários dos que estavam comigo reclamaram entre si, e eu fiquei com um pouco de dor de cabeça. Depois que a música passou, demorei um longo tempo para deixar de conseguir ouvir as batidas do meu próprio coração, de tão grande o silêncio que se fez dentro de mim, por contraste. Sério! 

Junto da barulhada, as letras que não dizem nada; na pregação, a palavra rala, sem sabedoria, ou então arrasadora, daquele tipo que toma um personagem bíblico como um ideal perfeito de cristão e deixa todo mundo se sentindo mal por não estar "à altura" - ou seja, elege um supercrente na Bíblia e imagina que com isso edificará os irmãos, enquanto o que se produz é exatamente o oposto. Em tudo, a nulidade do ensino e a falta de incentivo à relação interpessoal estimulam a freqüentação ocasional em vez da comunhão. Se é isso que impede tais cristãos de freqüentarem a igreja, não estão errados. Hoje em dia, pelo menos nos grandes centros urbanos, uma boa igreja evangélica está se tornando raridade. O culto nas casas talvez seja uma boa alternativa a isso, ou talvez, na conjuntura atual, a única. A barulhada e a palavra sem seriedade estão enchendo a igreja de pessoas imaturas e dadas à exaltação emocional sem conteúdo, bem como afastando os adultos e os idosos, e ainda os jovens tranqüilos. Afastando justamente aquelas pessoas que deveriam poder encontrar em uma igreja o ambiente propício para centrar mente, coração e força em Deus. 

Estimada Léa,

Em tese, concordo com você: há excessos por aí. O assunto [sentir-me melhor assistindo a uma missa] é de foro muito íntimo. É bem provável que você esteja freqüentando a igreja católica provisoriamente; você não é católica; não acredita no purgatório; não faz pedido a pessoas falecidas nem as adora; não crê na transubstanciação (doutrina católica segundo a qual o pão e o vinho se transformam no corpo real de Jesus); não crê que um sacerdote possa perdoar seus pecados; não crê que a Igreja Católica é a verdadeira Igreja de Cristo e que fora dela não há salvação; não crê na salvação pelos sacramentos; não crê que o papa seja o representante de Cristo; não crê na infalibilidade papal; não crê na recente declaração de João Paulo II, que deu crédito à tese pagã da evolução da espécie humana, adotando o evolucionismo de Charles Darwin.

Diante de tais erros doutrinários, o barulho do louvor fica pequeno. Não saberia dizer se é pecado ou não, mas posso dizer que você tem o Espírito Santo que poderá lhe indicar a melhor opção. Eu não me sentiria bem freqüentado missas. Causam-me mal-estar. Mas essa é uma posição particular. Também não me sentiria bem numa igreja evangélica com roupas brancas salpicadas de manchas negras, isto é, uma igreja evangélica, mas com alguns ensinos antibíblicos. 

Não há igreja perfeita. Perfeição somente quando estivermos no céu. Dito isto, aconselho-a a visitar diversas igrejas evangélicas, até encontrar a que se adapte ao seu gosto, e em que você se sinta bem. Não se esqueça de pedir ajuda a Deus. 

No amor de Cristo

Tipo: Perguntas e Respostas
Autor: Pr. Airton Evangelista da Costa
Fonte Estudos Gospel