MIDIA GOSPEL

Warning: file_get_contents(/home/estud641/public_html/midiagospel.com.br/cache/com_acesef/d81d75b5eb8fcce5dc4aca00a0b03082.php) [function.file-get-contents]: failed to open stream: No such file or directory in /home/estud641/public_html/midiagospel.com.br/libraries/joomla/cache/storage/file.php on line 104

Sáb12032016

Last update03:33:33

Por Que Acontecem Catástrofes Naturais Como Terremotos e Tsunamis?

Gostou? Comente este artigo no fim da página
Imagem/Foto - Pessoas Fugindo da Onda Gigante TSUNAMI

Por Que Acontecem Catástrofes Naturais Como Terremotos e Tsunamis?

Vez ou outra aparecem na imprensa relatos sobre tragédias da natureza. Durante determinados períodos, tais acontecimentos intensificam-se na quantidade e intensidade. Em outras épocas, estes problemas parecem diminuir. Mesmo com a tecnologia avançada em todos os setores, o homem não consegue controlar estes fatos. Na melhor das hipóteses, em certas ocasiões, o máximo conseguido pelos seres humanos é reduzir as conseqüências maléficas de determinadas catástrofes.

Para citar um exemplo deste problema, pode-se mencionar o furacão que atingiu parte dos Estados Unidos da América ao final de agosto de 2005. As manchetes das notícias publicadas na internet demonstraram a gravidade do acontecimento. “Furacão ganha força e leva pânico ao sul dos EUA” (Folha On-Line, 28/08/2005). “’Árvores foram arrancadas com asfalto e tudo’, conta brasileira de Miami” (Globo On-Line, 29/08/2005). “Furacão chega à Louisiana com ventos de 233 Km/h” (Folha On-Line, 29/08/2005).

Por que isto acontece? A Bíblia teria alguma explicação para estes fenômenos? Aparentemente, as Escrituras Sagradas não têm um texto exatamente sobre o assunto. Porém, a Palavra de Deus apresenta alguns indícios sobre possíveis causas para estes problemas. Obviamente, as interpretações sobre possíveis causas de catástrofes naturais encontradas na Bíblia são controversas, e não há consenso sobre o assunto.

Algumas pessoas desvinculam, categoricamente, as calamidades da natureza com a ira do Criador em relação aos excessivos pecados da humanidade. Afirmam ser Deus um Senhor de amor e perdão. Para defender sua opinião, citam diversos textos bíblicos, dentre eles: “Deus é amor” (I João 4:8b, I João 4:16b). “Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores” (I Timóteo 1:15b).

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” (I João 1:9).

Outros, no entanto, crêem no julgamento de Deus. Existem inúmeras histórias sobre a ação do Criador em relação a povos, cuja conduta foi considerada pecaminosa pelo próprio Deus. Alguns dos textos bíblicos mais famosos sobre o juízo do Senhor estão em Gênesis. Adão e Eva, por exemplo, quando pecaram, sofreram conseqüências – Gênesis 3. A destruição de Sodoma e Gomorra também é outro exemplo clássico de julgamento do Pai Celeste.

“Ora, eram maus os homens de Sodoma, e grandes pecadores contra o Senhor.” (Gênesis 13:13)

e por isso foram destruídos (Gênesis 19).

Teriam então, as catástrofes naturais, alguma relação com a insatisfaçãe Deus perante o pecado do homem? Na Bíblia, não há nenhuma relação direta entre tragédias e julgamento divino. Ao contrário, em grande parte das calamidades, percebe-se o amor do Criador ao salvar e restaurar vidas exatamente em momentos de grave crise. Contudo, alguns textos da Palavra do Senhor, aparentemente, fazem alguma relação entre a fúria da natureza e a ação do Pai Celeste.

No último livro da Bíblia, o Apóstolo João afirma ter visto um ser com poder para matar “com fome, e com peste, e com as feras da terra.” (Apocalipse 6:8b). O mesmo discípulo relata sobre anjos com poder para matar criaturas, queimar parte das plantas, secar rios e transformar parte da água tão amarga, a ponto dos consumidores das mesmas falecerem (Apocalipse 8:7-11). Coincidência ou não, hoje os ecologistas lutam contra a extinção de espécies de animais, as queimadas nas matas, e a insalubridade dos rios. Não é possível relacionar, em absoluta certeza, as catástrofes da natureza com o juízo divino. Contudo, é algo a se refletir.

Autor: Leonardo Silva Horta