MIDIA GOSPEL

Qui12082016

Last update12:01:22

Orkut e Facebook duelam pela sobrevivência

Gostou? Comente este artigo no fim da página

Orkut e Facebook iniciam duelo pela sobrevivência

Há poucos dias, o instituto Ibope Nielsen Online divulgou estudo que revelou que o número de pessoas que navegam pelas páginas do Facebook no Brasil já supera o do Orkut. Usando método diferente, a Comscore, que também realiza a medição na internet, não ratificou a ultrapassagem, mas confirmou a tendência: em julho, a vantagem do Orkut sobre o rival caiu 20%. É um momento histórico nos breves 7 anos de vida das redes sociais no Brasil, um território desbravado pelo serviço do Google.

O Facebook subiu como um foguete no mercado brasileiro, um comportamento sem precedentes na história do serviço. Em abril de 2009, os acessos ao endereço eram tão raros que o Ibope não conseguia medi-los. Dois anos e quatro meses depois, o site alcançou a marca de 30,9 milhões de visitantes únicos, registrada em agosto pelo Ibope. O Orkut, que agora tem 29 milhões, demorou seis anos e dez meses para chegar ao mesmo patamar.

A briga no segmento de redes tem beneficiado o usuário, favorecido com melhorias e mais atrações nos serviços. Mas o embate traz consigo uma questão sobre o futuro: haverá espaço no mercado brasileiro para dois serviços que, embora não idênticos – sim, eles mantêm diferenças marcantes –, guardam semelhanças?

"A tendência é que um dos sites se torne dominante, com o outro passando a atender um nicho", afirma Marcelo Coutinho, professor da Fundação Getúlio Vargas e pesquisador do mercado digital. É um fato. No mundo, são poucas as nações que comportam duas redes sociais de grande peso por longo período. O exemplo clássico vem da mãe das redes sociais, o mercado americano. Lá, a ascensão do Facebook em meados da década passada fez ao menos uma vítima: o MySpace, que reinava no segmento até então.

As exceções a essa regra são raras. Em todas, quem desafia a supremacia planetária do Facebook são serviço locais, que, surgidos na primavera da internet, acabaram ganhando apreço dos usuários. Na Rússia, Vkontakte e Odnoklassniki ainda deixam Facebook e Twitter para trás. Na Espanha, o Facebook ultrapassou recentemente o Tuenti. No Japão, o Twitter lidera, seguido pelo Mixi e, então, pelo Facebook.

Orkut e Facebook iniciam duelo pela sobrevivência

Por ora, a briga brasileira permanece aberta. O primeiro indício disso é o uso concomitante das duas redes por grande parte dos usuários. Segundo a Comscore, 87% das pessoas que visitaram o Facebook também foram ao Orkut em julho. O segundo sinal é que, nos bastidores, as duas empresas lutam vivamente pela supremacia.

O Facebook vem adotando uma estratégia agressiva dentro e fora da rede. Em fevereiro, tomou do Google seu principal executivo no país, Alexandre Hohagen, para comandar o 15º escritório da empresa no mundo. Nos últimos 60 dias, contratou quatro ex-funcionários do rival para fortalecer o QG brasileiro, instalado em São Paulo. Também lançou mecanismos para atrair usuários do Orkut.

O Orkut, por sua vez, assumiu o papel inédito de produtor de conteúdo, o que, nas redes, cabe tradicionalmente aos usuários. Exemplo disso é a comunidade Orkut ao Vivo, que reúne mais de 6 milhões de membros ao redor de entrevistas com artistas nacionais. O foco é explícito: 60% dos visitantes do site cursam o ensimo fundamental ou médio. São jovens, portanto.

A briga pela audiência, é evidente, é a luta pela sobrevivência. É também a luta pela publicidade. Essa é a principal fonte de receita dos dois serviços. A exemplo de canais de TV, jornais e revistas, as redes sociais usam o número de usuários e visitantes para atrair anúncios e, assim, rentabilizar o negócio. Até pouco tempo, o Orkut reinava praticamente sozinho no segmento. Agora, tem um competidor à altura – superior, na visão de alguns.

O Facebook acumula mais informações sobre os usuários: além de gênero, idade e interesse, comum ao Orkut, ele analisa localidade, grau de instrução e local de trabalho. Isso permite aos anunciantes dirigir sua mensagem ao público-alvo. "A rede de Mark Zuckerberg possibilita uma segmentação maior de seu público e, consequentemente, campanhas mais eficientes", diz Abel Reis, presidente da AgênciaClick Isobar.

É impossível esquecer o terceiro elemento que deve fazer parte dessa disputa: o Google+, rede social com que o gigante quer ganhar o mundo – o Orkut, vale lembrar, só não é uma jabuticaba virtual porque foi criado por um turco e sobrevive também na Índia, além do Brasil. Para atores do mercado como Reis, é certo que o velho será substituído pelo novo. "Em um prazo de dois anos ou pouco mais, o Google+ poderá ser a principal atração do Google no país", diz. A empresa descarta a hipótese de substituição: "Orkut e Google+ são dois produtos sociais dentro da mesma empresa, mas com objetivos diferentes", diz James Withaker, diretor mundial de engenharia do Google. "Acompanhamos os dois com a mesma atenção." Resta esperar para ver se usuários e mercado verão o assunto da mesma forma.

Fonte: Linha Aberta