MIDIA GOSPEL

Seg12052016

Last update01:10:10

Houve Comunicação com os Mortos na Transfiguração de Jesus?

Gostou? Comente este artigo no fim da página
A Transfiguração de JESUS Cristo
Pergunta Enviada pelo Irmão Marcos

Pr. Airton, meu nome é Marcos..., sou de são Paulo - capital. Talvez meu nome esteja em seu cadastro de compradores de seus materiais, adquiri um CD de estudos.
Bem, estou precisando de ajuda, estou evangelizando uma pessoa espírita, e esta pessoa me pediu explicações sobre a passagem de Moisés e Elias no monte da transfiguração, e preciso estar bem preparado para responder a esta questão, e sei que o irmão é especialista.
No CD tem um estudo breve sobre o assunto mas eu gostaria de refutações mais fortes contra as afirmações espíritas, eu mesmo (não é que esteja em dúvida) fico pensando, se nós evangélicos sempre afirmamos que os mortos não "andam" em nosso meio, e como vamos dizer isso se Moisés e Elias se apresentaram em corpo ressurreto, como podemos explicar isso? Conto com a ajuda do irmão. Fico aguardando. Um forte abraço.


Resposta do Pr Airton Evangelista da Costa

Marcos,

Às páginas 9 e 10 do estudo CRISTIANISMO X ESPIRITISMO falo sobre o assunto, como a seguir. Para que Jesus falasse com os mortos Ele transfigurou-se, mudou de figura; Jesus, Moisés e Elias se manifestaram como se estivessem na glória, no céu. Não houve manifestação mediúnica como acontece nas sessões espíritas.

Não houve nesse evento comunicação entre vivos e mortos (Lucas 9.28-36):

1) Não aconteceu ali nenhuma sessão espírita. Jesus, Pedro, João e Tiago não incorporaram espíritos;
2) Aprouve a Deus, na sua infinita sabedoria, promover aquele evento e oferecer àqueles apóstolos a feliz oportunidade de verem com seus olhos carnais o Senhor Jesus na sua glória, a glória que sempre teve;
3) Também serviu para dar um alento a Jesus, haja vista a proximidade do seu sacrifício: “Os quais apareceram com glória e falavam da sua morte, a qual havia de cumprir-se em Jerusalém” (Lucas 9.31);
4) Jesus não falou com Moisés e Elias na condição de homem, ou seja, em corpo humano. Antes, seu corpo foi transfigurado, transformado num corpo glorioso, celestial, espiritual. Com igual corpo estavam Moisés e Elias.
5) Pedro, João e Tiago não conversaram com Moisés e Elias. Estes falaram com Jesus.
6) Somente após a saída de Moisés e Elias, referidos apóstolos falaram a Jesus (Mateus 17.3; Marcos 9.4).
7) Demorou pouco tempo a visão que os apóstolos tiveram da transfiguração de Jesus e da sua conversa com Elias e Moisés: “E Pedro e os que estavam com ele estavam ‘carregados de sono’ e quando despertaram viram a Sua glória e aqueles dois varões que estavam com Ele” (Lucas 9.32).
8) Deus preparou aquele momento para que os apóstolos não tivessem nenhuma dúvida da eternidade de Jesus na condição de Deus Filho. Daí haver o apóstolo João escrito com tamanha convicção e inspirado pelo Espírito Santo: “No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade”.

A proibição e a comunicação

É comum a argumentação de que se Deus proibiu a comunicação com os mortos é porque ela existia. Em Deuteronômio 18, Deus proíbe a necromancia, a consulta a espírito adivinhante, a feiticeiro e, mais claramente, a consulta aos mortos. E diz que essas práticas são abomináveis, isto é, detestáveis, repreensíveis, execráveis; e “todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor”. Em Isaías 8.19, lê-se: “Não recorrerá um povo ao seu Deus? A favor dos vivos interrogar-se-ão os mortos”? Desde a formação do homem no Éden Deus estabeleceu o princípio da obediência. Se Deus proíbe qualquer prática ou ato que tenha por objetivo entrar em comunicação/comunhão com espíritos de pessoas mortas, devemos obedecer. Obedecer sem murmurações, sem levantarmos dúvidas quanto à validade da proibição. Deus proíbe a tentativa de comunicação, o ato de se tentar obter, através de adivinhos e necromantes, certas informações dos espíritos, ou até mesmo alívio para os males do corpo e da alma. Deus, na sua infinita sabedoria, sabe dos perigos envolvidos em tais práticas, porque conhece as artimanhas do inimigo. Se a invocação dos espíritos dos mortos fosse uma prática boa para os homens, Deus a aprovaria. Allan Kardec declarou que “Deus só se comunica com os homens através dos bons espíritos” (E.S.E. Introdução, VI). Ora, se isto fosse verdade Deus não proibiria essa comunicação. Muito pelo contrário.

Tipo: Perguntas e respostas
Autor: Pr. Airton Evangelista da Costa