MIDIA GOSPEL

Sáb12032016

Last update03:33:33

BBB 12: Efeitos Colaterais; Pessoas Ganham Fama e Perdem Senso?

Gostou? Comente este artigo no fim da página
GOSPEL Fotos e imagens BBB 12: Efeitos Colaterais; Pessoas Ganham Fama e Perdem Senso? Noticia Brasil

Enquanto alguns participantes do Big Brother Brasil 12 fazem de tudo para ganhar a fama, desmanchando namoro, postando vídeos pornôs, outros logo no início desistem da idéia e saem.

A caçula do BBB, Renata Dávila, abandonou tudo para entrar no reality show da Globo. Dávila terminou o namoro de 2 anos com Filipe Soldati e largou a faculdade.

"Obrigado por tudo! Dois anos perfeitos", escreveu a sister Renata na despedida do namorado, segundo o relatou o R7.

Mas muita agitação também pode terminar em decepção ao não aguentar a pressão e desistir do programa. Foi o que aconteceu com o participante Netinho, de 28 anos, que saiu logo antes do início do reality show.

O advogado estava preso no hotel juntamente com os outros 11 participantes e com sua saída será substituído por outra pessoa. O novo participante deve se juntar à equipe ainda nesta quinta-feira (5).

O reality está atraindo grande audiência para ver como é o “lado real da vida”. O programa é muitas vezes caracterizado como o lado oposto da televisão conservadora que mostra mais "fantasia" em suas novelas populares.

Entretanto, o BBB, como o mundo real, apresenta as pessoas em sua realidade imperfeita, muitas vezes ambíguas e fazendo tudo por dinheiro ou fama. Pessoas são atraídas para ver polêmicas que podem ser causadas facilmente por simples gestos contraditórios ou errônios em que os participantes não têm como apenas representar.

A realidade espetacularizada vira reino na TV

Muitos críticos já compartilharam suas visões sobre a popularidade do reality show, virando reino na televisão brasileira.

Raymundo de Lima, Psicanalista e professor da UEM, tem afirmado que a invasão e a evasão da privacidade é um bom negócio para os donos e empregados da programação e meio de ascenção para os que participam.

“As pessoas se ofereceram participar mais como meio de ascensão social, de obter no futuro próximo fama, prestígio para participar de uma novela, ficar famoso, etc, que pelos 500 mil do final”, disse ele segundo a revista Espaço Acadêmico.

Segundo ele, as pessoas tem que saber jogar bem o “jogo da sobrevivência darwiniana” dentro da casa. O participante menos pior em virtudes ou em moral é elevado pela mídia.

Apesar da popularidade, o reality show pode ter uma vida curta como qualquer outro programa que vive da exaltação do sucesso, segundo o estudioso, e cair na repetição ou mesmo no desgaste.

Fonte: Christianpost | Divulgação: Midia Gospel